quinta-feira, 4 de agosto de 2016

As borlas do Sr. Rocha Andrade


O secretário de Estado dos Assuntos fiscais aceitou que a Galp lhe pagasse duas viagens para ver jogos da seleção no Euro: com Hungria e França. O fisco tem 100 milhões em contencioso com a Galp. aqui


Fui aluna dele, na FDUC, numa das cadeiras que não fiz e foram tantas desse malogrado curso que não fiz. Lembro-me de ter ido a uma ou duas aulas. Não recordo a matéria mas recordo as olheiras e o ar boémio do senhor. Vi-o poucas vezes na faculdade mas, apesar de não ser muito dada aos festejos académicos vi-o mais vezes no recinto da queima e da latada do que nas aulas. Por essa altura, devia ter a mesma dificuldade que tem agora em recusar ofertas.
Apresentava um estado de embriaguez tão elevado, ao final da noite, que dava para perceber que se tinha sentido obrigado a aceitar todos os finos, shots e traçadinhos que os alunos lhe ofereciam ao som de mais um F-R-A. Como recusar? Recusar seria falta de educação.
E as alunas? Dizem que as alunas também lhe ofereciam coisas irrecusáveis apesar de há época ter o mesmo especto de agora, eu disso não sei. Ouvi dizer mas, não sei. Sei que no final do ano e logo a seguir à Queima das Fitas tinha um professor, que aceitara ‘ofertas’ de alguns alunos e celebrara com eles a cada brinde, a dar notas e a decidir o futuro de tantos outros.
Parecia pouco ético mas, que fazer? Eu não fiz a cadeira, a necessidade de trabalhar atravessou-se à frente da concretização da cadeira ou do curso e apesar de não ter frequentado ou realizado a cadeira no início de século XXI aos olhos de uma miúda de 20 anos o Sr Professor ganhava a cada observação ou relato de embriaguez estatuto de génio. Um boémio que consegue ser doutor de leis, manter o estatuto profissional e progredir na carreira tinha que ser um génio.
Posto isto, devo dizer que não estranho que tenha aceitado as ofertas da Galp não considerando que existisse um conflito de interesses, o senhor não está habituado a pensar nisso, deixaram-no chegar onde está sem que tivesse de pensar nisso.





4 comentários:

  1. que belo dia que está... já caíram umas pingas, sente-se aquele cheiro que vem da terra. que maravilha!

    :)

    ResponderEliminar
  2. Por acaso não foi aluna do Luís Montenegro, ou do Mota Soares, ou assim... é que eles, por acaso, com ou sem olheiras, também aceitaram «borlas». Já para não falar no irrevogável Portas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...e fizeram tão mal quanto este.
      Não, não fui aluna deles. Descrevo-lhe apenas o que se sabe em Coimbra e o que qualquer aluno da FDUC de 98 a 2005 pode repetir, os mais velhos sugeriam aos mais novos que podendo fizessem parte do grupo e pagassem 'copos' ao senhor Professor.
      Lamentarei sempre que acerca de um qualquer assunto, por uma qualquer cegueira ideológica que jamais compreenderei, alguém me argumente com algo do género 'os outros também fizeram porque criticam este?'
      Critico e condeno todos, no entanto, sendo-me este um caso mais familiar sinto-me mais à vontade para me atrever a umas linhas sobre o assunto, talvez noutra altura risque acerca dos outros... Eu não tenho qualquer filiação partidária pelo que não farei o tipo de debate que parece querer iniciar, lamento.
      Bem-vinda, gosto de a ver por aqui!

      Eliminar