segunda-feira, 26 de junho de 2017

Foi domingo


Foi domingo e acordei com a pele empolada. A vermelhidão e as borbulhas foram aumentando e tomaram conta de mim.
Na farmácia, recusaram vender-me o que quer que fosse - tem que ir ao médico!
Fui, mas fui contrariada. Era domingo e eu tinha comichão podiam ter aproveitado para me vender ao menos um óleo hidratante...
Os sintomas eram fracos mas as salas de espera das urgências têm o dom de deixar qualquer pessoa doente. Senti a tensão baixar enquanto esperava que todos os outros, a quem tinham igualmente colocado uma fita amarela no braço, fossem atendidos. Chamou-me um médico tranquilo sentei-me à sua frente e ele perguntou - Que se passa? Expliquei - É isto. Olhou-me de longe, por cima dos óculos, não mais do que dois segundos e vaticinou - Isso é uma alergia. 
Ordenou-me que saísse enquanto dava ordens para que me fizessem uma medicação.Assim fiz. 
Aguardei. Aguardei. Mais um pouco e chamaram-me. 
Aguardavam-me de agulhas em riste. - Ora vamos lá ver esses bracinhos... Ui! Não vai ser fácil! Não ia mas pareceu. Conseguiu acertar na veia à primeira e vai de enfiar o liquido das seringas lá para dentro. À minha respiração mais sonora a senhora enfermeira descansava-me e dizia que tem que arder, é normal. E, depois das seringas um frasco de soro com anti-alérgico que se me infiltrou grande parte no braço porque afinal aquilo da veia não estava e não era normal que ardesse. 
Com medo de novo fracasso a senhora enfermeira chamou outra senhora enfermeira que me analisou os braços e perguntou - São bailarinas? Expliquei que sim, que as minhas veias são a única parte de mim com ritmo e que não tivesse medo de furar e certificar-se de que acertara - O record está em 12 picadelas. Resolveu o assunto com 2.
Tomei o resto do soro, o médico voltou a chamar. olhou para mim de longe e vaticinou - está muito melhor!-  Estava pior! - Vou passar-lhe uns comprimidos. Daqui a quatro dias se não passar voltas cá mas em principio passa. - Fiquei super descansada. 
Voltei à farmácia e comprei os comprimidos, com receita. 
Continuo vermelha e cheia de bolhas mas a droga é da boa. Dormi umas 10 horas esta noite e esta manhã por cada  meia hora que estou acordada durmo uma. 
Espero não ter de voltar ao médico, muito menos aquele, mas já valeu a pena. Precisava relaxar.



7 comentários:

  1. Às vezes, gostaria de escrever um texto assim, sem os os rodriguinhos e contágios de uma idade muito lida. Natural, simples em suma, mas real mesmo que, para citar Simenon, "tudo é verdadeiro sem que nada seja exacto".
    Uma boa semana, Teresa!
    (sem alergias)

    ResponderEliminar
  2. As melhoras (fica-se com a sensação de filme de ficção científica emq ue se entra no gabinete, somos "scaneados" de alto a baixo, mas não sentimos nada e o diagnóstico aparece no ecran do médico, sem ele precisar de olhar mais do que esses dois segundos. Mas "conseguir" uma pulseira amarela é um feito. À quinze dias todos eram corridos a pulseira verde - isto no Amadora-Sintra. Uma pulseira de outra cor quase parece um prémio - é ridiculo, não é?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o senhor não me tocou balbuciou pouco mais de meia dúzia de palavras e pronto.
      O amarelo tem que ver com a urgência e possível evolução de cada quadro. A enfermeira da triagem (que já agora, devia ser um médico) hesitou e foi consultar o manual para escolher a cor certa como eu não tenho episódios de alergias registados e estava a piorar podia ser muito grave, foi precaução. Mas percebo o que diz o tempo de espera é demasiado se tivesse que morrer enquanto esperava morria na mesma, ainda por cima adoeci ao domingo...

      Eliminar
  3. estás melhor? :(

    (acredites ou não, já tive uma consulta de clinica geral onde o sr. doutor não olhou para mim uma única vez. senti-me tão insignificante).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, obrigada!
      Duvidamos sempre das conclusões quando não nos fazem o diagnóstico...

      Eliminar