terça-feira, 18 de setembro de 2018

Loiça fina

"tenho de conseguir transformar este copo no melhor copo do mercado"

Disse Cristina Ferreira no Jornal da Noite, na SIC.

Neste momento, em qualquer entrevista de emprego, realizada por psicólogos em estágio profissional para lojas, call centers e demais empregos disponibilizados por grandes marcas através de empresas de trabalho supostamente temporário com as quais estabelecem um intrincado processo de outsourcing, é solicitado aos candidatos que vendam aos ditos psicólogos a garrafa ou copo de água que estes têm à sua frente na secretária.

Os candidatos a emprego têm que se mostrar capazes de criar necessidades no cliente e mesmo que as funções a que candidatam não sejam de venda e sejam por exemplo tratamento de reclamações, facturação ou reposição de stock eles têm que passar por essa prova porque a qualquer momento lhes pode ser solicitado que comecem de novo, do zero.
Do zero mesmo.
Começam do zero a cada entrevista. Começam do zero todos os meses em que lhes é comunicada a mudança de funções, a renovação do contrato, a alteração da remuneração ou comissionamento, o fim do contrato.
Dificilmente quem se vê obrigado a passar por estes processos de recrutamento aufere o suficiente para ter uma 'almofada' confortável que lhe permita arriscar e ir atrás de outra oportunidade ou desafio sem saber quanto vai ganhar. Por isso começa verdadeiramente de novo a cada dia que não desiste e luta por mais apesar de saber que lhe estão praticamente vedadas as chances de passar de um rendimento de 500 para 2000 euros.
Não começa de novo ou do zero quem muda de um contrato de milhares para outro, numa empresa em que é recebido com toda a pompa e circunstância. Mostra que arrisca, que tem carácter mas não começa do zero. Muitos dos que começam efectivamente do zero têm a mesma garra e carácter mas não têm meios ou oportunidades.
Não me incomodam minimamente o ordenado que a Cristina Ferreira recebia ou o que vai receber. De tudo o que disse na entrevista o mais acertado foi que a questão não está no bem que lhe pagam a ela mas no mal que pagam aos outros.
Talvez houvessem mais Cristinas Ferreiras se nós, os outros, que já vendemos muitos copinhos de água com argumentos muito superiores ao dela "é grosso" fossemos melhor pagos. Sem o auto-elogio desnecessário e com tino suficiente para ocultar comentários idiotas de amigos que comparem a sua mudança à morte da princesa Diana. Gente capaz de fazer um copo grosso passar por loiça fina.



segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Tirando eu, claro!

Quem é que tem uma otite no primeiro dia de trabalho?
Tirando eu, claro!

Até parece que não trabalho num sítio super motivador, onde todos são tratados e pagos com equidade e respeito...parece. Adoeço assim no primeiro dia depois das férias...parece.

Nestas alturas lamento o facto de as entidade patronais não estarem disponíveis para considerar as faltas justificadas sem um papelucho assinado por um Senhor Doutor. As baixas de curta duração não são remuneradas e não, para quê desconfiar de trabalhadores assíduos quando estes lhes reportam um problema de saúde que apesar de passar com repouso e ibuprofeno os impossibilita de desempenhar as suas funções?
Eu estou um bocadinho pior que isso e tenho que tomar antibiótico mas mesmo assim... não se justifica. São 2 dias!

Coitadas das crianças! São a dor, as nauseas...Já não me lembrava de como isto é horrível.


domingo, 16 de setembro de 2018

Singelo (AM / FM)




by Haley Heynderickx . 

('I need to start a garden' é, para mim, um dos melhores álbuns do ano, dentro do género)

Peixe fora de água


Quando insistem que devia fazer praia ponho-me logo a imaginar a o quão divertido seria e é mais ou menos isto. 
Vá! Passem daí as conchinhas!


'Les Vacances de Monsieur Hulot' by Jacques Tati.


sábado, 15 de setembro de 2018

Retratos


Fui ao Centro Português de Fotografia ver 'Frida Kahlo - As suas fotografias'.
É uma exposição interessante não que se descubra algo acerca de Frida mas as fotografias íntimas com anotações, dedicatórias, recortes e as que foram compradas por Frida e Diego Rivera são uma materialidade necessária ao estreitamento da nossa ligação à personalidade e ao seu universo.
Para mim o mais surpreendente foi descobrir o pai de Frida.
Guillermo Kahlo, fotografo, era um pão! A sério, para além de bonito, cuidava da imagem, era um metrossexual antes mesmo de o termo se ter popularizado.
Na Casa Azul, onde foram encontradas as fotografias que compõem a exposição existiam cerca de 30 auto-retratos de Guillermo que apesar do seu trabalho dedicado maioritariamente à fotografia de arquitectura demonstrava uma certa obsessão pelo seu retrato, muito semelhante àquela dos instagramers das selfies de hoje. Há, até, uma nude.
Frida guardava essas fotos que não serão alheias à sua obra.
Recomendo, aos que passarem pelo Porto.

Guillermo Kahlo, auto-retrato (foto da net)

Cenas que me irritam solenemente

Sim, eu digo 'cenas' de vez em quando mas posso substituir por coisas para os mais sensíveis ou então ceninhas e coisinhas para aqueles que possam já estar com urticária por causa disto.
Ainda bem que concordamos que não vale a pena...
Resolvi começar a listar cenas que me irritam. Para começar deixo-vos duas.

Irrita-me que alguém se dê ao trabalho de comentar uma notícia, post, ensaio, livro... com correções ortograficas, limitando o comentário à dita correção.
Se me chamarem a atenção para erro no decorrer ou no final de um comentário que expresse o mínimo de reflexão, concordando, discordando, acrescentando... eu agradeço. Caso contrário limito-me a reconhecer a imagem que essa pessoa faz passar acerca de si mesma: um ignorante a exibir o sua alfabetização. 
Acredito que alguns dos que o fazem o façam com a melhor das intenções mas irrita-me por breves momentos em que me posso exceder, no entanto como qualquer irritação passa.
Irrita-me perder o que a Capazes e suas capazetes escrevem nas redes sociais por não fazer parte dos seus seguidores. Aquilo acerca da atitude da Serena Williams ultrapassou todos os limites. A Capazes é a única "plataforma" que conheço que agrega pessoas para a sua causa última por escrever cenas ou coisas (lá está) e defender argumentos com os quais discordam.





da Ciência



Cientistas portugueses descobriram onde nasceu o Sol.
Queriam, agora, descobrir onde vai morrer a terra, mas não lhes deram bolsa.
O Homem já anda a dar cabo dela.


quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Não fosse a Serena


Não fosse a Serena Williams e eu continuaria sem saber que há um senhor árbitro português tão importante para o circuito(?) do ténis internacional. Eu e a maioria dos portugueses.

De resto, toda a situação foi um exagero pegado. Fiquei com muita pena deste senhor que se deve ter fartado de chorar.


E pensar...



E pensar que se a minha família tivesse um barraco abandonado em Pedrógão eu teria, agora, uma casa de férias supimpa ... 



ps Disseram-me que sarcasmo podia ser o meu nome do meio. Tendo em conta que já quase não me tratam por Isabel, porque não? Porque não?


sábado, 8 de setembro de 2018

Staycation

Staycationperíodo em que um indivíduo ou família fica em casa de férias. Ou, continua pobre mas em bom.